Linguistas que marcaram a ciência (Parte 1)

Quando falamos de ciência, é bem comum nos lembrarmos de cientistas bem famosos vinculados às teorias que propuseram (e às vezes até a símbolos!). Um exemplo bem conhecido é Newton formulando a teoria da gravitação a partir da queda de uma maçã. Outro que nos ronda é Darwin e a teoria da evolução – e quem conhece um pouquinho mais da história, lembra de Darwin sempre que vê um beagle. Mas na linguística parece diferente: o que quem está do lado de fora da nossa área costuma imaginar é que o nosso trabalho é aprender línguas. Muitas e muitas línguas. Quando muito, já ouviram falar de Saussure, geralmente por terem contato com o estruturalismo, ou de Chomsky, por seus trabalhos como sociólogo ou ativista político. Assim, resolvi criar uma série de posts trazendo diferentes linguistas de diferentes épocas e algumas de suas ideias como forma de divulgação tanto do que fazemos dentro da nossa área, quanto da história (muitas vezes desconhecida até mesmo por quem atua nas letras) da ciência da linguagem.

PARTE 1 – A primeira metade do século XIX

1) Wilhelm von Humboldt (1767-1835)

5 linguistas humboldt

Irmão mais velho de Alexander von Humboldt, Wilhelm foi um dos primeiros a propor novas formas de se pensar sobre línguas, rompendo uma tradição que remetia até os gregos. Ele acreditava que o método da gramática comparativa permitiria que entendêssemos melhor o desenvolvimento histórico dos povos que usassem as línguas analisadas, bem como a relação espiritual e intelectual desses povos com suas línguas. Contribuiu também para a etnolinguística, trabalhando com a língua basca e com o kawi (javanês antigo). Sua filosofia da linguagem influenciou linguistas e teorias posteriores, tanto no século XIX (como August Pott, Chajim Steinthal e Graziadio Ascoli) quanto no século XX (como Edward Sapir, Benjamin Whorf e Noam Chomsky).

 

2) Friedrich Schlegel (1772-1829)

5 linguistas schlegel

Irmão mais novo de August Wilhelm Schlegel, Friedrich publicou em 1808 “Sobre a língua e sabedoria dos indianos”, uma das obras importantes para as discussões sobre a família indo-europeia de seu tempo. O calhamaço colocou o sânscrito, que já era conhecido, no mapa da linguística europeia. Graças a ele, estudos que comparavam o sânscrito com as línguas europeias se tornaram cada vez mais frequentes e cuidadosos. Em Schlegel, encontramos a ideia de que línguas são organismos que entram em decadência com o passar do tempo. Apesar de hoje essa noção ser superada, foi graças a ela que boa parte do trabalho de reconstrução de línguas e formas não atestadas foi realizada.

 

3) Rasmus Rask (1787-1832)

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Vindo de uma família pobre e tendo sofrido com muitas doenças (inclusive mentais) ao longo da vida, o dinamarquês Rask só consegue o cargo de professor de línguas orientais na Universidade de Copenhague pouco tempo antes de morrer. Deixou diversas gramáticas de línguas clássicas e modernas – entre elas: inglês antigo, espanhol, frísio, italiano, dinamarquês, sámi e inglês – e também um ensaio fundamental sobre o nórdico antigo, incluindo-o nas línguas germânicas. Além disso, também aponta que as línguas germânicas seriam bem próximas das balto-eslavas. Por fim, é Rask que propõe a “versão beta” da lei posteriormente conhecida como lei de Grimm.

 

4) Jacob Grimm (1785-1863)

grimm

Mais conhecido por coletar histórias populares junto de seu irmão caçula Wilhelm, Jacob Grimm também foi importante na história da linguística. Mais do que isso: segundo Heinrich Heine, “Jacob Grimm sozinho contribuiu mais para a ciência da linguagem do que a Academia Francesa desde Richelieu”. Exagero ou não, Grimm contribuiu atacando etimologias falsas e o normativismo linguístico, traduziu uma gramática do sérvio escrevendo uma longa introdução sobre a importância das gramáticas comparativas eslavas e postulou que a origem da língua era uma questão empírica e histórica (para ele, as duas coisas andavam juntas). O resultado dessa última contribuição é a sua famosa Gramática Alemã, onde fica claro que, para Grimm, entender as formas modernas do alemão é entender também a história da língua, ou seja, as formas mais antigas. Baseado no trabalho de Rask, formulou a chamada lei de Grimm, uma análise das mudanças fonéticas sofridas pelas línguas germânicas.

 

5) Franz Bopp (1791-1867)

franz bopp

Tido como o fundador da linguística como a concebemos hoje, Bopp termina em 1816 (100 anos antes da publicação do Curso de Linguística Geral) um enorme trabalho comparativo sobre os sistemas de conjugação de línguas como sânscrito, grego, latim, persa e alemão. Apesar de não apresentar muitas discussões explicitamente metodológicas de como fazer linguística, é Bopp quem lança mão da base para praticamente toda a linguística comparativa posterior. Junto com Rask e Grimm, é visto como uma grande virada para uma linguística menos filosófica (como a de Humboldt e Schlegel) e mais técnica, voltada para a elaboração e aplicação do método comparativo. Bopp criticou a ideia de que o sânscrito seria a língua indo-europeia que teria originado as demais – ideia que fazia muito sucesso no começo do século. Também vale mencionar o perfil científico de Bopp, que frequentemente reformulava suas próprias conclusões em decorrência de novos dados e estudos. Além disso, Bopp foi o primeiro professor de linguística comparativa da Alemanha, recebendo o cargo recém-criado na Universidade de Berlim – muito provavelmente por influência de Wilhelm von Humboldt, um dos fundadores da universidade (hoje chamada de Universidade Humboldt de Berlim).

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s